“Meu livro”.

Rainer Maria Hilke em seu livro

“Cartas a um jovem poeta” nós faz conhecer as inquietações de um jovem artista sobre seu trabalho. Li este livro a alguns anos e me marcou profundamente, ainda o guardo com carinho e costumo folhea_lo algumas vezes assim como algumas pessoas folheiam aqueles Pequenos livretos de pensamentos de orientação ou conforto.

Wainer Maria fala sobre aspectos da nosso trabalho com arte pelos quais a grande maioria já passou ou passa. A dúvida sobre a qualidade do que faz, se está no caminho certo ou não… enfim ser ou não ser artista neste mundo tão cheio de tudo que já se possa imaginar. Palavras ditas a mais

Em um trecho que guardei para mim como um conselho de vida ele diz ao jovem e angustiado poeta: ” ninguem pode aconselhar ou ajudar – ninguém”, responde-lhe Rilke, na tradução de Paulo Rónai. “Não há senão um caminho. Procure entrar em sim mesmo. Investigue o motivo que o manda escrever; examine se estende suas raízes pelos recantos mais profundos de sua alma; confesse a si mesmo; morreria se lhe fosse vedado escrever? Isto acima de tudo; pergunte a si mesmo na hora mais tranquila de sua noite; ‘Sou forçado a escrever?’ Escave dentro de si uma resposta profunda. Se for afirmativa, se puder contestar aquela pergunta severa por um forte e simples ‘sou’, então construa sua vida de acordo com esta necessidade.